Big Data na prática: é mesmo possível? Vou te mostrar que sim.

por Flávio Bolieiro, VP MicroStrategy Latin America

Big Data na prática: é mesmo possível? Vou te mostrar que sim
Big Data na prática

Acesse qualquer site especializado em tecnologia, cheque a agenda dos eventos do setor ou converse com profissionais de marketing por aí. Tenho certeza de que, em todos esses casos, uma hora ou outra o termo “Big Data” irá aparecer. Tal tecnologia está sendo abordada como uma grande promessa, com um potencial imenso para otimizar os resultados e o faturamento das empresas. Faça o teste e me diga se acertei.

Todavia, embora o tema esteja em alta e chamando a atenção de muitos executivos, na maior parte das vezes em que ele é discutido trata-se apenas de um discurso bonito, cheio de “achismos”, previsões vazias e com pouca – ou nenhuma – profundidade. Por isso, quero compartilhar com vocês um caso de sucesso da Avon que mostra que o Big Data é uma realidade e que é possível adotá-lo, na prática, para alcançar os seus objetivos de negócio.

É de conhecimento geral que a Avon trabalha com a venda direta. Ou seja, a empresa comercializa seus produtos por meio de uma rede de revendedoras, espalhadas por todo o território nacional, que oferecem os produtos diretamente ao consumidor, sem a intermediação de lojas ou varejistas. Estas revendedoras usam o site da Avon para fazer as encomendas dos itens que necessitam, processo que gera um tráfego impressionante de 150 mil pedidos, em média, a serem processados diariamente.

Com todo este volume em mãos, há dois anos, a companhia decidiu analisar todas as interações das revendedoras no site: comportamento no carrinho, quais produtos cada uma delas comprava mais, o que sugerir a partir daí, porquê determinados produtos eram abandonados… E foi assim que surgiu a ideia de um projeto piloto para a implementação do Big Data.

A implementação

A primeira solução que a Avon buscou foi desenvolver algo internamente, de forma caseira. Mas, logo descobriu-se que não era possível e que o ideal seria buscar um parceiro de confiança que pudesse implementar o projeto. A MicroStrategy foi a escolha natural, uma vez que já trabalhamos há alguns anos com a companhia e temos a expertise no segmento de Big Data e Real Time Analytics.

A partir daí foram algumas reuniões e discussões, com o envolvimento de diversos times, como digital e engenharia reversa, para identificarmos com precisão os dados que a Avon precisava analisar dentre tudo o que tínhamos à nossa disposição. O fato de atendermos a empresa há mais de uma década nos permitiu ainda cruzar as informações extraídas deste processo com a base histórica da plataforma analítica da MicroStrategy, o que tornou os insights mais ricos. Assim, pudemos responder às perguntas que a empresa buscava, inclusive as mais difíceis.

Os resultados

Com o projeto rodando, hoje a Avon consegue personalizar a oferta digital em tempo real, com base no comportamento do usuário no site, mudando a roda das ofertas digitais a qualquer hora. Na prática, isso significa que conseguem prever as razões pelas quais uma revendedora abandonou seu carrinho de compras e oferecer soluções. Em alguns casos, a usuária tem um limite de crédito baixo, por exemplo, e, por isso acaba não concluindo a compra. Hoje, após a implementação do projeto, é possível fazer uma revisão de sua linha de crédito na hora, permitindo que ela efetue o seu pedido normalmente.

Em termos de negócios, a Avon conta atualmente com relatórios e dashboards mais amigáveis, que contribuem com uma tomada de decisão mais rápida. Além disso, é possível acompanhar o que está acontecendo no site em qualquer região do Brasil.

O principal resultado deste trabalho é o aumento da satisfação das próprias revendedoras, que são o combustível da empresa. Elas passam mais tempo no site, com acesso a ofertas mais personalizadas e, consequentemente, aumentam o ticket médio em cada visita.

Tentei demonstrar que implementar um projeto de Big Data é possível e que o seu sucesso está intrinsecamente ligado a identificar os dados que darão as melhores respostas, envolver as equipes que poderão contribuir com os insights e oferecer respostas às informações encontradas. Parece complexo, mas com o parceiro certo tudo fica mais simples e 100% viável.

*Artigo postado originalmente no LinkedIn de Flávio Bolieiro, vice-presidente da MicroStrategy Latin America, que atua  há 30 anos com TI e aplicações corporativas. Nos últimos 17 anos, tem trabalhado ativamente com soluções de Business Intelligence, desde desenvolvimento de parcerias estratégicas até implementação de projetos para clientes-chave nos setores público e privado. Seu conhecimento sobre inteligência de negócios é profundo, motivo pelo qual é frequentemente convidado a falar sobre o assunto na imprensa e em eventos de mercado.

Transformação Digital: Big Data na prática

Leia também